Fertilizantes  ›   Serviço de aconselhamento  ›   Nutrientes  ›  

Zinco

O zinco no solo

O zinco na planta

Toxicidade do zinco

 

O zinco no solo

O teor de zinco em solos não contaminados varia entre 10 – 80 mg kg-1 e o teor de Zn dos solos arenosos é geralmente mais baixo do que nos solos limosos. O zinco disponível na solução do solo fixa-se maioritariamente à matéria orgânica no solo. Além disso, pode ser adsorvido pelos óxidos de ferro, manganês e alumínio ou fortemente fixado à rede de minerais argilosos e silicatos. A imobilização adicional do zinco ocorre quando o teor de sulfatos e de fosfatos é excessivo na solução do solo. A disponibilidade do zinco é fortemente afectada pelo pH e pelo teor total de zinco do solo. A proporção do zinco permutável diminui com o aumento do pH, sendo muito baixo a partir de pH 6. Com o aumento do pH, a afinidade do zinco aumenta consideravelmente face ao óxido de manganês e ao óxido de ferro. Sob condições anaeróbicas, o zinco pode ser precipitado na forma de sulfuretos dificilmente solúveis, dificilmente disponível às plantas. O zinco pode ser lixiviado do solo mas este processo geralmente ocorre em solos ácidos.

 

O zinco na planta

O zinco é absorvido pelas plantas a partir da solução do solo, quer como ião Zn2+ (a um pH baixo), quer como ião de hidróxido de zinco (a valores de pH mais elevados). As plantas que crescem em condições ácidas com um pH inferior a 6 raramente têm pouco zinco, uma vez que a disponibilidade nestas condições aumenta significativamente. O zinco activa ou é um componente de diferentes enzimas e, por isso, afecta muitos processos metabólicos na planta.

 

Funções do zinco na planta

  • Actua como componente essencial da polimerase RNA que catalisa a síntese de RNA que, por sua vez, influencia a produção de proteínas.
  • Como componente de enzimas, o zinco catalisa a síntese do frutose-6-fosfato, um importante metabolito na glicólise e, por isso, na fotossíntese.
  • É essencial para a estabilidade dos ribossomas.
  • Afecta o teor de ácido indol-3-acético, que é importante para a regulação do crescimento da planta.

 

Sintomas de deficiência de zinco

  • As folhas são pequenas e as suas pontas são geralmente brancas. O crescimento geral da planta é interrompido (nanismo).
  • Na fruticultura, ocorre um desenvolvimento de “roseta” ou “pequena folha” devido a entrenós congestionados. O crescimento dos ramos é inibido e os jovens rebentos morrem. Também pode ocorrer senescência foliar prematura.
  • As vinhas desenvolvem um número crescente de rebentos e as uvas ficam pequenas.
  • As folhas mais velhas e do centro apresentam pontos cloróticos com áreas necróticas.
 

Toxicidade do zinco

Um excesso de zinco pode ser tóxico nas plantas, embora os níveis de tolerância sejam geralmente elevados. Algumas plantas são capazes de guardar o excesso de zinco nos seus vacúolos. A toxicidade do zinco resulta em:

  • Inibição do desenvolvimento da raiz
  • Clorose nas folhas mais jovens.
  • Induz a deficiência de ferro.

Selecione um site